Alterações fisiológicas na função cardiovascular

Postal_a_Bege_com_Imagem_de_Paisagem_e_Montanha_para_Viagem_848f268de0

Tendo em conta que as doenças cardiovasculares são muito prevalentes em pessoas idosas, impõem-se o desafio de distinguir o que é patológico e tem necessidade de intervenção terapêutica, e o que é fisiológico e decorre do normal processo de envelhecimento.

Função cardíaca

A frequência cardíaca máxima, o volume sistólico e o débito cardíaco diminuem. A resposta da frequência cardíaca diminui no início do exercício. O padrão de enchimento diastólico está alterado e a percentagem da ejeção ventricular esquerda reduzida. Verifica-se uma diminuição da variabilidade da frequência cardíaca como resposta ao esforço. A função cardíaca é um importante fator da redução da capacidade de exercício com o envelhecimento.

Função vascular

A aorta e os seus ramos principais perdem elasticidade. A capacidade vasodilatadora e a dilatação dependente do endotélio das artérias mais periféricas diminui. Estes fatores conduzem a um aumento do risco de doença vascular crónica.

Tensão arterial

A tensão arterial em repouso, especialmente a sistólica, aumenta. A tensão arterial durante o exercício máximo e submáximo é maior, quando comparado com adultos jovens, sobretudo nas mulheres idosas. Este aumento da tensão arterial reflete o aumento do esforço cardíaco.

Fluxo sanguíneo periférico

A circulação nos membros inferiores está geralmente reduzida, em repouso e durante exercício máximo e submáximo. A vasoconstrição esplâncnica e renal durante o exercício submáximo pode estar reduzida com a idade. Estes fatores podem ter influência no exercício, nas AVD'S e na regulação da tensão arterial nas pessoas idosas.

Difusão do oxigênio

A difusão do oxigênio é a mesma em repouso ou durante exercício submáximo e igual ou ligeiramente inferior em exercício máximo.

Composição e volume sanguíneo

Há redução do volume plasmático. Há uma redução, ainda que pequena, dos valores de concentração de hemoglobina. estas alterações podem contribuir para uma redução do volume sistólico máximo através da redução da pré-carga cardíaca.

Regulação dos fluídos corporais

A sensação de sede diminui. As capacidades de conservação de água e do sódio renal estão comprometidas. A água corporal total diminui com o envelhecimento. Estas alterações podem conduzir a desidratação e a uma reduzida tolerância ao exercício com calor.

Pensamentos finais

Com o avançar dos anos tem se verificado um crescimento da população envelhecida no nosso país. Por este motivo, é cada vez mais necessário haver profissionais formados e com competências para compreenderem as mudanças, que advém do envelhecimento. É ainda necessário que estes profissionais sejam capacitados de ferramentas para intervirem junto das pessoas idosas, para que haja uma aceitação das mudanças.